08 – Circuncisão do Senhor Jesus

A circuncisãoAo Rei dos Santos, ao autor de toda a justiça e santidade, a Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo é dedicado o primeiro dia do novo ano. A Igreja celebra neste a memória da Circuncisão de Nosso Senhor, mistério que, com  diz São Bernardo, merece nossa admiração e amor. O Evangelho relata o acontecimento do modo seguinte: “Oito dias depois de nascido, circuncidaram o menino e deram-lhe o nome de Jesus; nome, que o Anjo já lhe tinha dado antes de concebido”. Quatrocentos anos antes da promulgação da lei mosaica, Deus tinha prescrito a circuncisão a Abraão e seus descendentes. Devia ser: 1) o selo da aliança feita entre Deus e Abraão e seus filhos; 2) a confirmação das promessas que Deus fizera a Abraão, ao pai dos fiéis; 3) o sinal distintivo dos judeus, no meio dos infiéis.

A Circuncisão era o sacramento principal e mais necessário do Antigo Testamento. Era a condição essencial da incorporação ao Povo eleito de Deus. Há Santos Padres que comparam com o batismo, reconhecendo nela um símbolo da purificação do pecado original e da santificação pela graça de Deus. (São Tomás de Aquino).

Jesus Cristo, o supremo legislador, o Santo dos Santos, descendente de Abraão, não de modo natural, mas por obra do Espírito Santo, não estava sujeito à lei da Circuncisão. O desejo de dar-nos um exemplo de humildade e obediência fez com que se sujeitasse à dura determinação mosaica.

A Circuncisão desarma a argumentação dos maniqueus e de outros hereges, que negavam em Jesus Cristo a existência de um corpo real, igual ao nosso.

Revestindo-se a nossa natureza, seu sofrimento não foi imaginário, mas real, como o de nós todos. A Circuncisão removeu todas as dificuldades, que os judeus podiam levantar contra a dignidade de Messias, negando-lhe a filiação de Abraão, da família do qual, segundo a divina promessa, o Salvador havia de descender. Pelo seu exemplo veio Jesus Cristo mostrar, que não tinha intenção de abolir, mas cumprir a antiga lei. Finalmente é a Circuncisão uma prova de amor a nós, uma revelação do desejo de sofrer por nós. A Circuncisão nos é garantia da salvação, que Jesus Cristo mais tarde ia realizar e realizou no altar da cruz. Além disto queria Nosso Senhor dar um exemplo de paciência e humildade aos pecadores, mostrando-lhes que, sendo o Senhor de todos, se humilha à condição de pecador, sofrendo na carne inocente as dores mais pungentes. Menino ainda, pelo exemplo, convida-nos à imitação, como mais tarde nos chama a si, dizendo: “Aprendei de mim. Eu vos dei um exemplo, para que façais como tenho feito”. (Jô. 13,  15).

São Lucas, que de todos os evangelistas é o que mais pormenoriza as circunstâncias do nascimento de Nosso Senhor, quase nada diz sobre a Circuncisão. Não diz o lugar onde a mesma se realizou, nem menciona a pessoa que a executou. É, entretanto, bem motivada a opinião de Santo Epifânio e de outros Santos Padres, segundo a qual Jesus Cristo foi circuncidado no estábulo que o viu nascer e onde recebeu a visita dos Reis Magos. Da Sagrada Escritura sabemos que a Circuncisão, não sendo do ofício sacerdotal, de ordinário era praticada pelo pai da criança. Abraão, que não era sacerdote, circuncidou a Ismael e os filhos dos seus empregados; Sephora, que era mulher, circuncidou o próprio filho. Assim sendo, é provável que a Circuncisão de Nosso Senhor tenha sido feita por São José.

Costume era dos judeus darem à criança o nome por ocasião da Circuncisão. O Arcanjo São Gabriel, portador da celeste mensagem, anunciara à Maria Santíssima o nome de seu divino Filho: “Eis que conceberás – disse o Anjo – e dareis à luz um filho, a quem poreis o nome de Jesus”. Como razão disto, o Anjo acrescentou: “Ele remirá seu povo dos pecados”.(Mt. 1.  21). O nome de Jesus significa, pois: Salvador. Outros homens célebres, antes de Jesus Cristo, eram chamados Salvadores, como Josué, Josedech, Gedeão e Sansão. Eram todos salvadores do seu povo, mas num sentido mui restrito.

Só a Jesus Cristo, nascido da Virgem Imaculada, compete o título pleno de Salvador do mundo, que por Ele foi resgatado, a preço do Seu Divino Sangue.

Entre os Santos Padres, são principalmente São Bernardo, São Bernardino de Siena e São Boaventura, que tecem os maiores elogios ao Santíssimo Nome de Jesus, enaltecendo-lhe o poder e magnificência. São Paulo, em referência a este Santo Nome, já dissera, que  “o Nome de Jesus é acima de todos os nomes; que ao Nome de Jesus todo joelho se dobre no céu, na terra e nos infernos” (Fil. 2,  9). O próprio Cristo dá-nos uma idéia do poder do seu Nome, afirmando-nos que alcançaremos do Pai tudo o que lhe pedirmos em seu Nome. Falando nas grandes obras que serão feitas em virtude de seu Nome, acrescenta: “Em meu Nome expulsarão demônios, falarão novas línguas, manusearão serpentes e se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará mal; porão as mãos sobre os enfermos e sararão”.(Mc. 16,    17-18).

Os Santos tiveram um grande respeito e profunda veneração ao Santíssimo Nome de Jesus. Era-lhes conforto nas lutas, consolo nas tribulações, escudo contra os inimigos da alma. Nas epístolas de São Paulo, mais de duzentas vezes, se encontra o Nome de Jesus. Os Apóstolos julgaram-se muito honrados, em poderem sofrer alguma coisa por amor ao Nome do divino Mestre. Santo Estevão antes de exalar o espírito, exclamou ainda: “ Senhor Jesus, recebei meu espírito !”(At. 7,  58).

Páginas do Oriente

Site Católico Apostólico Romano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s