02 – Via Lucis

lucis1VIA LUCIS  (GLORIOSA) 15 ESTAÇÕES

CAMINHO DA LUZ

Encontros com O Ressuscitado

LUZ GLORIOSA. São estas as primeiras palavras de um dos mais antigos hinos cristológicos. O Cristo Ressuscitado é a luz do mundo. Foi isto que motivou a vasta reflexão feita pelo Vaticano II para descobrir o mistério da Ressurreição. Antes, a atenção fixava-se de preferência na cruz. Ela é o “altar do mundo”, e é mais do que justo venerá-la. Nela “esteve suspenso o Salvador do Mundo” (Sexta-Feira Santa, Convite na apresentação da Cruz).

Mas Ele sofreu e morreu para ressuscitar. Não podemos parar na cruz. Paixão e Ressurreição são duas faces inseparáveis da mesma medalha. Cristo «foi entregue por causa das nossas faltas e ressuscitado para nossa justificação» (Rm 4, 25). Também a Ressurreição tem valor salvífico: «Se Cristo não ressuscitou é vã a nossa pregação e vã a nossa fé» (1 Cor 15,14). Por outro lado, «Cristo, ressuscitado dentre os mortos já não morre; a morte já não tem domínio sobre Ele» (Rm 6,9). O Cristo que eu encontro na Liturgia, na Palavra, nos irmãos, nos sacramentos – é o Ressuscitado.

Não será de estranhar, pois, que à VIA CRUCIS (Via Sacra ou Caminho da Cruz) tradicional, que revive as várias etapas do caminho das dores de Cristo, se acrescente agora a VIA LUCIS (Caminho da Luz), na qual se revivem as estações mais significativas do caminho pascal de Cristo; os fatos, os encontros e os testemunhos evangélicos acerca do acontecimento central da História da Salvação: a Ressurreição de Jesus. De resto, a forma de “Breviário popular”, que é o Rosário, ao lado dos mistérios gozosos e dolorosos propôs sempre os gloriosos.

Não existe ainda, para esta VIA LUCIS, uma tradição sólida, com a verificação de experiências e a aprovação da Igreja. E para que isto aconteça, é mesmo preciso que alguém comece. […] O importante é começar, sem pretender ser definitivo, mas com a modesta intenção de ajudar os que querem encontrar o Ressuscitado e “tocá-lo com a fé”, conscientes de que «emanava d’Ele uma força que a todos curava»(Lc 6,19).

As palavras anteriores pertencem à apresentação que o beneditino Dom Mariano A. Magrassi, arcebispo de Bari-Bitonto, faz do texto italiano de Michele Battista, que traduzi e adaptei o texto que segue. A obra intitula-se “Via lucis – le apparizioni del Risorto celebrate in quindici etappe” e leva a chancela das Edições Paulinas italianas, a quem agradeço a gentileza. Apenas recolhi as referências dos textos bíblicos e as orações, a partir da forma breve (pp.136-165), e a “Oração para o Dia do Senhor” (pp. 23-25), substituindo o texto original da XIV (Assunção de Nossa Senhora) pelo que apresento aqui.

Proponho esta forma de oração e reflexão para o Tempo da Páscoa. Tal como o “Caminho da Cruz”, este ”Caminho da Luz” também ganhará se for celebrado em grupo ou, pelo menos, em família. Seria mesmo bom fazer uma grande caminhada/celebração festiva pelas ruas da paróquia no Tempo da Páscoa, tal como se fazem as Vias-Sacras públicas no Tempo da Quaresma. A vitória de Cristo, o Senhor, sobre o pecado e a morte, e a alegria que daí nos vem é um anúncio que devemos ao mundo, a quem tanto pregamos sobre o pecado e a penitência. De contrário, corremos o risco de apresentar uma Quaresma sem Páscoa – e, portanto, sem sentido.

Para esse efeito, apresento algumas indicações práticas e proponho um rito inicial e a renovação das promessas do Batismo como conclusão. Além disso, a seguir a cada título transcrevo um texto bíblico para ser proclamado antes da oração. Em grupo, será conveniente repartir o título, o texto e a oração por três pessoas diferentes. A própria oração pode ser distribuída por duas pessoas, ou a 2ª parte ser rezada por todos. Conforme as circunstâncias, alguns textos podem ser proclamados em diálogo pelos vários personagens, visualizados ou encenados.

LOPES MORGADO

ALGUMAS INDICAÇÕES PRÁTICAS

Quando a celebração comunitária for realizada NUM ESPAÇO FECHADO, como a Eucaristia, coloca-se no lugar de honra o círio pascal aceso ou o Evangeliário aberto, além de um ícone ou poster de Cristo Ressuscitado. Ao mesmo tempo, ao longo das paredes são colocadas e acesas tantas velas quantas “glórias” se pretendem celebrar.

Se a celebração for NO EXTERIOR, E À NOITE, pode-se convidar os participantes a levarem uma vela para a celebração ou entregá-la no local. Será acesa depois de se acender o círio, podendo então fazer-se este diálogo entre o Presidente e a Assembléia:

Presidente: Ide, e levai a luz de Cristo ressuscitado  aos irmãos que encontrardes.

Assembléia: Amém

Entretanto, as pessoas vão acendendo umas velas nas outras e põem-se em marcha com um cântico pascal).

O círio pascal pode ser conduzido ao longo do percurso da Via lucis, tal como a cruz é conduzida na Via crucis.

As várias “glórias” (ou estações) podem estar assinaladas por um cartaz com o título correspondente. Ou então, por cruzes luminosas (se for de noite) ou enfeitadas (se for de dia).

No final, recomenda-se a renovação das promessas do Batismo. Se houver Eucaristia, a Liturgia da Palavra corresponde às meditações das “glórias” e o Credo é substituído pelas Promessas batismais feitas à chegada à igreja, seguindo-se a Oração para o Dia do Senhor e a Eucaristia a partir do Ofertório. A bênção final da Comunidade poderá ser feita com o Evangelho aberto, com o Círio ou com a cruz pascal.

Na celebração individual, certamente facilitará a meditação algum ícone do Ressuscitado, a Bíblia aberta, uma vela acesa, etc.

RITO INICIAL

Entram os vários intervenientes na celebração, com a cruz gloriosa à frente. O círio está colocado no pedestal, apagado. Sem cântico de entrada.

O Presidente acende o círio e canta: A LUZ DE CRISTO!

Todos: GRAÇAS A DEUS!

Presidente: “A luz de Cristo gloriosamente ressuscitado nos dissipe as trevas do coração e do espírito”.

Cantor: Cristo ressuscitou! Aleluia! Aleluia!

Todos: Ressuscitou! (3x) Aleluia!

Aleluia! (3 x) Ressuscitou! (de frei Acílio)

(Entretanto, o Presidente incensa o círio pascal)

Organiza-se a procissão para a caminhada: cruz gloriosa, círio pascal, pessoas em número igual ao das “Glórias”, com velas acesas (em copos encarnados), grupo coral, o resto dos participantes…

Vai-se cantando: A luz de Cristo ilumina a terra inteira!

Aleluia! Aleluia!

O número e ordem dos elementos em cada “glória” é igual ao que se apresenta na primeira. O título de cada uma é proclamado pelo Presidente, que também encerra com o “Glória ao Pai…”.

1 – JESUS RESSUSCITA E APARECE A SUA MÃE

Canto: Aleluia pascal, gregoriano.

Da Carta Encíclica “Mãe do Redentor”, de João Paulo II:

“Maria foi e é, sobretudo, aquela que é «feliz porque acreditou» foi ela quem primeiro acreditou. O anjo tinha-lhe dito então: «Conceberás e darás à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus. Ele será grande… e reinará eternamente sobre a casa de Jacob e o seu reinado não terá fim.» (Lc 1,32-33).

Os acontecimentos do Calvário tinham, pouco antes, envolvido em trevas esta promessa; contudo, mesmo junto à Cruz, não tinha desfalecido a fé de Maria. Mesmo ali, permanecia aquela que, como Abraão, «acreditou esperando contra toda a esperança» (Rm 4,18). Depois da Ressurreição, tinha a esperança revelado o seu verdadeiro rosto, e a promessa começara a transformar-se em realidade.” (RM, 26)

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos na aparição à tua Mãe, Nossa Senhora das Dores. O teu amor terno e imenso levou-Te a apareceres-lhe para a consolar.

– Nós cremos em Ti, Senhor Jesus, Deus da consolação e da alegria!

Tu colocaste no amor aos pais (Sir 3,6-7)o segredo da felicidade e de uma vida longa. Concede-nos amar os nossos pais como Tu os amaste. – Tu, que és Deus vivo com o Pai na unidade do Espírito Santo.

Amém.

Cantor ou Coro: Cristo ressuscitou! Aleluia! Aleluia!

Todos: Ressuscitou! (3x) Aleluia!

Aleluia! (3x) Ressuscitou!

Presidente: Glória ao Pai, e ao Filho…

Todos: Como era no princípio…

2 – O RESSUSCITADO APARECE A MARIA MADALENA

Do Evangelho segundo São João: Maria de Magdala estava junto ao sepulcro da parte de fora, a chorar. Enquanto chorava, debruçou-se para dentro do sepulcro e viu dois anjos vestidos de branco, sentados, um à cabeceira e outro aos pés, onde jazera o corpo de Jesus. Disseram-lhe eles: “Mulher, porque choras?” Ela respondeu: “Porque levaram o meu Senhor e não sei onde O puseram.”

Dito isto, olhou para trás e viu Jesus de pé, mas não sabia que era Jesus. Disse-lhe Ele: “Mulher, porque choras? A quem procuras?” Pensando que era o hortelão, ela disse-lhe: “Senhor, se tu o levaste, diz-me onde O puseste e eu irei buscá-lo.” Disse-lhe Jesus: “Maria!”

Ela, voltando-se, disse-lhe: “Rabboni” – que quer dizer “Mestre”. Jesus disse-lhe: “Não Me detenhas, porque ainda não subi para Meu Pai; mas vai ter com os Meus irmãos e diz-lhes que vou subir para Meu Pai e vosso Pai, Meu Deus e vosso Deus.” Maria de Magdala foi dar a nova aos discípulos: “Vi o Senhor!” (Jo 20,11-18).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos no teu encontro com Maria Madalena, que andava à tua procura. Admiramos a fina delicadeza e benevolência com que a trataste. Tu respondes à dedicação apaixonada que ela manifestou pela tua pessoa, mas com

um amor maior, chamando-a pelo nome e confiando-lhe o grande encargo de anunciar aos apóstolos a tua ressurreição.

– Concede-nos cultivar em nós os teus mesmos sentimentos de estima, para que toda a mulher realize a sua vocação e missão na Igreja e no mundo.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

3 – O RESSUSCITADO APARECE A ALGUMAS MULHERES

Do Evangelho segundo São Mateus: Jesus saiu ao encontro de Maria de Magdala e a outra Maria e disse-lhes: “Deus vos salve!” Elas aproximaram-se, estreitaram-lhe os pés e prostraram-se diante dele.

Jesus disse-lhes: “Nada receeis; ide dizer a Meus irmãos que partam para a Galileia, e lá Me verão.” (Mt 28,9-10).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos na tua aparição a algumas mulheres. Tu queres premiar a delicadeza, a sensibilidade e a fortaleza que elas demonstraram em seguir-Te até ao Calvário. Queres ensinar-nos que aqueles que Te seguem se encontram sempre na dimensão pascal da morte e da ressurreição, da dor profunda seguida por uma imensa alegria. (Sl 126,5.6; 2 Cor 1,7).

– Infunde nas mulheres de hoje o mesmo espírito de entusiasmo e fortaleza para anunciarem a todos que Tu és a Ressurreição e a Vida.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

4 – O RESSUSCITADO APARECE A SIMÃO PEDRO

Da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios: Irmãos, transmiti-vos, em primeiro lugar, o que eu mesmo havia recebido: Que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras, e apareceu a Cefas e em seguida aos Doze.

Depois apareceu a mais de quinhentos irmãos, de uma só vez, a maior parte dos quais ainda vive, enquanto alguns já morreram. Depois apareceu a Tiago, e, a seguir, a todos os Apóstolos. E, em último lugar, apareceu-me também a mim, como a um aborto. (1 Cor 15,1-8).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos no teu encontro com Simão Pedro. Tu és o Deus fiel e conheces o coração de Pedro que Te ama, porque chorou amargamente pela sua infidelidade. No teu amor infinito, depois de ressuscitado, encontras-Te com ele, para que também ele, ressuscitado do medo, possa confirmar, com misericórdia, os seus irmãos na fé e no amor para contigo.

– Aumenta em nós o espírito de serviço e de testemunho, a fim de que, colaborando com o papa, os bispos e os presbíteros, edifiquemos a Igreja com a mesma fé e coragem do apóstolo Simão Pedro.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém

5 – O RESSUSCITADO APARECE A TIAGO MENOR

Da Carta de São Tiago: Meus irmãos, não mistureis a fé em Nosso Senhor Jesus Cristo glorificado com a acepção de pessoas. Falai e procedei como pessoas que devem ser julgadas segundo a lei da liberdade. Porque será julgado sem misericórdia aquele que não for misericordioso. De que aproveitará, irmãos, a alguém dizer que tem fé se não tiver obras? Acaso essa fé poderá salvá-lo? Assim também a fé: se ela não tiver obras, é morta em si mesma. Vede, pois, como o homem é justificado pelas obras e não somente segundo a fé. Assim como o corpo sem alma é morto, assim também a fé sem obras é morta. (Tgo 2,1.12-14.17.24.26).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, contemplamos a tua aparição ao apóstolo Tiago. Ele representa todos os teus familiares, que Tu, nele, acolhes e amas, embora sejam incrédulos e desconfiados. Tu és o amor que ama os do próprio sangue com um afeto superior.

– Concede-nos elevar as relações familiares ao nível sobrenatural, para as abrirmos à fraternidade universal.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém

6 – O RESSUSCITADO APARECE AOS DOIS DISCÍPULOS DE EMAÚS

Do Evangelho segundo São Lucas: Nesse mesmo dia, dois deles iam a caminho de uma aldeia chamada Emaús, distante de Jerusalém sessenta estádios. Enquanto conversavam e discutiam, acercou-se deles o próprio Jesus e pôs-se com eles a caminho. Jesus disse-lhes então: “Ó homens sem inteligência e lentos de espírito em crer em tudo quanto os profetas anunciaram! Não tinha o Messias de sofrer essas coisas para entrar na sua glória?” E, começando por Moisés e seguindo por todos os profetas, explicou-lhes, em todas as Escrituras, tudo o que Lhe dizia respeito.

Ao chegarem perto da aldeia para onde iam, fez menção de seguir para diante. Os outros, porém, insistiam com Ele, dizendo: “Fica conosco, pois a noite vai caindo e o dia já está no ocaso.” Entrou para ficar com eles: e, quando se pôs à mesa, tomou o pão, pronunciou a bênção e, depois de o partir, entregou-lho. Os olhos abriram-se e reconheceram-no; mas Ele desapareceu da sua presença. Disseram então um ao outro: “Não estava o nosso coração a arder cá dentro, quando Ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?” (Lc 24,13. 15. 25-32).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos no teu encontro com os dois discípulos de Emaús. Tu estás sempre próximo de quem tem o coração triste e desanimado, fazes-Te peregrino e companheiro no nosso caminho para nos fazeres felizes e guiares pelos caminhos que conduzem ao Pai.

– Dá-nos a sabedoria necessária para Te descobrirmos sempre mais presente na Sagrada Escritura e na Eucaristia, de modo que possamos amar-Te com um coração ardente e tornar-Te conhecido e amado pelos nossos irmãos e irmãs.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém

7 – O RESSUSCITADO APARECE PELA PRIMEIRA VEZ AOS APÓSTOLOS

Do Evangelho segundo São João: Na tarde desse dia, o primeiro da semana, estando fechadas as portas da casa onde os discípulos se achavam juntos, com medo dos judeus, veio Jesus pôr-se no meio deles e disse-lhes: “A paz seja convosco.” Dizendo isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Alegraram-se os discípulos, vendo o Senhor. E Ele disse-lhes de novo: “A paz seja convosco. Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós.” Dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: “Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, serão retidos.” Tomé, um dos Doze, não estava com eles quando veio Jesus.

Disseram-lhe os outros discípulos: “Vimos o Senhor!” Mas ele respondeu:“Se eu não vir o sinal dos cravos nas suas mãos, se não meter o dedo no lugar dos cravos e não meter a mão no seu lado, não acreditarei.” (Jo 20,19-25).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos na tua aparição aos Apóstolos, no Cenáculo. Tu encontras-Te com eles, perdoando e esquecendo a sua fuga e traição. Dás-lhes a paz, a capacidade e a coragem de oferecerem a todos a alegria do teu perdão.

– Faz com que nós, cristãos, reconciliados no teu amor e no dom da tua paz, estejamos sempre unidos na comunhão da fé e do amor.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

8 – O RESSUSCITADO APARECE AOS APÓSTOLOS E A TOMÉ

Do Evangelho segundo São João: Oito dias depois, estavam os discípulos outra vez em casa, e Tomé estava com eles. Veio Jesus, estando as portas fechadas, apresentou-se no meio deles e disse: “A paz seja convosco.” Depois disse a Tomé: “Chega aqui o teu dedo e vê as Minhas mãos.; aproxime a tua mão e mete-a no Meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente.”

Respondeu-lhe Tomé: “Meu Senhor e meu Deus!”

Disse-lhe Jesus: “Porque Me viste, acreditaste. Bem-aventurados os que, sem terem visto, acreditam.” (Jo 20,26-29).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos neste encontro com o apóstolo Tomé. Tu és a luz e vences as nuvens da dúvida, mostrando as cinco chagas, sinais do teu amor.

– Faz crescer em nós a felicidade da fé, para Te proclamarmos nosso Senhor e nosso Deus.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

9 – RESSUSCITADO APARECE AOS APÓSTOLOS JUNTO AO LAGO DE TIBERÍADES

Do Evangelho segundo São João: Ao surgir a manhã, Jesus apresentou-se na praia, mas os discípulos não sabiam que era Ele. Disselhes então Jesus: “Rapazes, tendes algum peixe que se coma?” Responderam-lhe: “Não.” Disse-lhes Ele: “Lançai a rede para o lado direito do barco e haveis de encontrar.” Lançaram-na, pois, e mal a podiam arrastar devido à grande quantidade de peixe. Então, o discípulo predileto de Jesus disse a Pedro: “É o Senhor!” E, quando Simão Pedro ouviu dizer que era o Senhor, enfiou a túnica, pois estava nu, e lançouse ao mar.

Depois da refeição, Jesus perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu amas-Me mais do que estes?” Ele respondeu: “Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo.” Jesus respondeu-lhe: “Apascenta os Meus cordeiros.” Voltou a dizer-lhe segunda vez: “Simão, filho de João, tu amas-Me?” Ele respondeu: “Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo.” Jesus disse-lhe: “Apascenta as Minhas ovelhas.” (Jo 21,4-7.15-16).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos na tua aparição aos Apóstolos e a Pedro, cabeça visível da tua Igreja. Tu prolongas o teu amor à Igreja no serviço realizado pelo teu Vigário na terra, através do primado da autoridade e da caridade.

– Concede ao Santo Padre o conforto da tua presença especial e da tua poderosa proteção.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

10 – O RESSUSCITADO APARECE AOS APÓSTOLOS ANTES DA ASCENSÃO

Do Evangelho segundo São Mateus: Os Onze discípulos partiram para a Galileia, para o monte que Jesus lhes tinha designado. Aproximando-se deles, Jesus disse-lhes: “Foi-Me dado todo o poder no céu e na terra: Ide, pois, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-as a cumprir tudo quanto vos tenho mandado. E Eu estarei sempre convosco, até ao fim do mundo.”

E Eu vou mandar sobre vós O que Meu Pai prometeu. Entretanto, permanecei na cidade até serdes revestidos com a força lá do Alto”.

Depois de lhes ter falado, o Senhor Jesus foi arrebatado ao Céu e sentou-Se à direita de Deus. (Mt 28,16.18-20; Lc 24,49; Mc 16,19)

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos neste último encontro com os Apóstolos antes de subires ao céu e te sentares à direita do Pai. Tu, amor infinito, ofereces os tesouros da salvação a todos os povos da Terra. Tu, amor fiel, permaneces sempre conosco na Palavra, nos sacramentos, nos pobres. Tu, amor encarnado, estás presente de modo especial na Igreja, teu corpo vivo no mundo.

– Concede-nos sermos tua morada, na qual habita e transparece a tua presença ressuscitada e gloriosa.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

11 – O RESSUSCITADO ENVIA O SEU ESPÍRITO

Do Livro dos Actos dos Apóstolos: Quando chegou o dia do Pentecostes, encontravam-se todos reunidos no mesmo lugar. Subitamente ressoou, vindo do céu, um som comparável ao de forte rajada de vento, que encheu toda a casa onde se encontravam. Viram, então, aparecer umas línguas à maneira de fogo, que se iam dividindo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar outras línguas, conforme o Espírito lhes inspirava que se exprimissem. (At 2,1-4).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos nesta efusão do Espírito Santo sobre a Igreja. Tu dás-nos o teu Espírito de amor, de modo que seja vencido em nós o egoísmo e nos tornemos caridosos com o nosso próximo.

– Faz com que sejamos dóceis ao teu divino Espírito, testemunho vivo da tua Ressurreição, para que se renove a face da terra.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém

12 – O RESSUSCITADO APARECE AO DIÁCONO ESTÊVÃO

Do Livro dos Atos dos Apóstolos: Cheio de graça e força, Estêvão fazia extraordinários milagres e prodígios entre o povo. Ora, alguns membros da sinagoga chamada dos Libertos, dos cireneus, dos alexandrinos e dos da Cilícia e da Ásia vieram para discutir com Estêvão. Provocaram, assim, a ira do povo, dos anciãos e dos escribas; depois, surgindo-lhe na frente, arrebataram-no e levaram-no ao Sinédrio. Todos os membros do Sinédrio tinham os olhos fixos nele e viram que o seu rosto era como o rosto de um Anjo.

Ao ouvirem as suas palavras, encheram-se intimamente de raiva e rangeram os dentes contra Estêvão. Mas este, cheio do Espírito Santo e de olhos fixos no Céu, viu a glória de Deus e Jesus de pé, à direita de Deus. “Olhai, disse ele: Eu vejo os Céus abertos e o Filho do Homem, de pé, à direita de Deus.” (Act 6,8-9.12.15; 7,54-56).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos na tua aparição ao diácono Estêvão, tua primeira e generosa testemunha. Tu tornaste-o intrépido na defesa da verdade e capaz de perdoar mesmo aos seus assassinos.

– Concede aos diáconos e a todos os cristãos o dom da sabedoria e da fortaleza, para realizarmos uma nova evangelização na sociedade de hoje, com a força da verdade e o testemunho da vida.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

13 – O RESSUSCITADO APARECE A SAULO NO CAMINHO DE DAMASCO

Do Livro dos Atos dos Apóstolos: Saulo, entretanto, respirando sempre ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, foi ter com o Sumo Sacerdote e pediu-lhe cartas para as sinagogas de Damasco, a fim de que, se encontrasse homens e mulheres que fossem desta Via, os trouxesse algemados para Jerusalém.

Estava a caminho e já próximo de Damasco, quando se viu subitamente envolvido por uma intensa luz, vinda do Céu. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: “Saulo, Saulo, porque Me persegues?” Ele perguntou: “Quem és Tu, Senhor?” A voz respondeu: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Ergue-te, entra na cidade e dir-te-ão o que tens a fazer.” (At 9,1-6).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos no caminho de Damasco enquanto Te revelas a Saulo de Tarso. Tu vences toda a resistência humana, transformando radicalmente um perseguidor convencido no teu instrumento para a salvação dos pagãos. Ele anunciou a força da Ressurreição a todos os que não acreditavam em Ti, superando inumeráveis dificuldades e perseguições.

– Torna-nos, também, generosos e respeitosos portadores da tua mensagem pascal aos homens e às mulheres de hoje.

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

14 – O RESSUSCITADO APARECE, GLORIOSO, A JOÃO NA ILHA DE PATMOS

Do Apocalipse de São João: Eu, João, que também sou vosso irmão e companheiro na aflição, na realeza e na paciência em Jesus Cristo, estava na ilha de Patmos por causa da Palavra de Deus e do testemunho de Jesus Cristo. E fui arrebatado em espírito, no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta.

Virei-me para ver quem falava comigo e, ao virar-me, vi sete castiçais de ouro, e, no meio dos sete castiçais, alguém semelhante a um Filho de Homem. Quando o vi, caí a seus pés como morto; e Ele pôs sobre mim a sua mão direita, dizendo-me: “Não temas. Eu sou o Primeiro e o Último, O que vive; conheci a morte, mas eis-Me vivo pelos séculos dos séculos.” (Ap 1,9-10a.12-13.17-18a).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos na tua aparição gloriosa ao evangelista São João exilado em Patmos. Tu, o Vivente, já não estás sujeito à opressão dos poderes humanos que Te crucificaram. Por isso quiseste encorajar a Igreja mártir do primeiro

século, garantindo-lhe no testemunho de João que também sofria as mesmas aflições: “Não temas!… Deus enxugará todas as lágrimas, e não haverá mais morte, nem gritos, nem dor, porque Ele renova todas as coisas!” ( Ap 1, 17; 21,3.5a).

– Concede, a todos os que sofrem no corpo ou no espírito, e a todos os cristãos perseguidos,

a coragem e a luz que nos vêm da tua Ressurreição. “Vem, Senhor Jesus!” (Ap 22,20).

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

15 – O RESSUSCITADO VAI APARECER PELA ÚLTIMA VEZ NO FIM DO MUNDO

Do Apocalipse de São João: Então vi um grande trono branco e Aquele que estava sentado nele. O céu e a terra fugiram da sua presença e não houve mais lugar para eles. Vi, depois, um novo Céu e uma nova Terra, porque o primeiro Céu e a primeira Terra haviam desaparecido, e o mar já não existia. E vi a cidade santa, a nova Jerusalém que descia do Céu, de junto de Deus, bela como uma esposa que se ataviou para o seu esposo. E ouvi uma grande voz, que saía do trono e que dizia: “Eis aqui o tabernáculo de Deus entre os homens! Habitará com eles, serão o seu povo e o próprio Deus estará com eles. Ele enxugará as lágrimas dos seus olhos; não haverá mais morte, nem pranto, nem gritos, nem dor, porque as primeiras coisas passaram”.

Então, o que estava sentado no trono, disse: “Eu renovo todas as coisas.” E acrescentou: “Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Àquele que tiver sede, dar-lhe-ei a beber, gratuitamente, da fonte da Água da Vida.” Depois, o anjo mostrou-me o Rio da Água da Vida, resplandecente como cristal, que saía do trono de Deus, e do Cordeiro.

No meio da praça, com o rio de um lado e de outro, está a Árvore da Vida, que produz frutos doze vezes, uma em cada mês, e cujas folhas servem para curar as nações. Então, o anjo disse-me: “Felizes os que lavam as suas vestes, para terem direito à Árvore da Vida e poderem

entrar, pelas portas, na Cidade.” (Ap 20,11; 21,1-6; 22,1-2.6a.14).

Senhor Jesus, ressuscitado para todos, nós Te contemplamos no teu solene encontro com toda a Humanidade no fim dos tempos. – Faz com que nos preparemos desde já, na esperança, para o “teu dia”, participando no banquete eucarístico dominical e praticando obras de misericórdia.

Teremos, assim, a alegria de sermos convidados para o banquete da felicidade eterna, quando Tu nos acolheres, dizendo: “Vinde, benditos de meu Pai!” (Mt 25,34).

– Tu que és Deus vivo com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

CONCLUSÃO

Renovação das Promessas do Batismo

Presidente ou Animador: O Batismo é a Páscoa do Cristo Ressuscitado, participada por cada pessoa. Viver o Batismo com alegria todos os dias, é fazer da vida uma páscoa sem fim. Por isso, depois de percorrermos o itinerário pascal deste Caminho da Luz, vamos renovar as promessas batismais, para continuarmos a seguir o Ressuscitado pelos caminhos do mundo de hoje.

RENUNCIAIS ao pecado,

para viverdes na liberdade dos filhos de Deus?

– SIM, RENUNCIO.

Renunciais às seduções do mal,

para que o pecado não vos escravize?

– SIM, RENUNCIO.

Renunciais a Satanás, que é o autor do Mal e o pai da mentira?

– SIM, RENUNCIO.

CREDES em Deus Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra?

– SIM, CREIO.

Credes em Jesus Cristo, seu único Filho, Nosso Senhor, que nasceu da Virgem Maria, padeceu e foi sepultado, ressuscitou dos mortos e estais à direita do Pai?

– SIM, CREIO.

Credes no Espírito Santo, na santa Igreja Católica,na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne e na vida eterna?

– SIM, CREIO.

Oração conclusiva

Deus onipotente, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos libertou do pecado e nos fez renascer da água e do Espírito Santo, nos guarde com a sua graça em Cristo Jesus, Nosso Senhor, ressuscitado da morte, para a vida eterna.

Amém.

ORAÇÃO PARA O DIA DO SENHOR

(para integrar numa Eucaristia)

Nós Te glorificamos, Senhor ressuscitado, pelo dia feliz do Domingo, no qual triunfas sobre o mal e a morte com o sinal da tua perene Ressurreição e nos reúnes em assembléia santa para Te louvar e dar graças.

R/ Aleluia! (cantado)

Nós Te glorificamos, Senhor Ressuscitado, pelo dia bendito do Domingo, no qual o santo mistério do Crucificado–Ressuscitado afugenta o mal, restitui a inocência aos pecadores, a alegria aos aflitos e a esperança aos desesperados, dissipa os ódios, promove a concórdia e a paz.

Nós Te glorificamos, Senhor Ressuscitado, pelo dia fecundo do Domingo, no qual continuas a manifestar a tua presença viva e operante no sinal da Eucaristia, do celebrante, da assembléia festiva, da divina Palavra, da partilha do pão e da paz, para nos configurarmos contigo e nos tornarmos prolongamento e sacramento da tua Ressurreição para os irmãos.

Nós Te glorificamos, Senhor Ressuscitado, pelo dia maravilhoso do Domingo, páscoa semanal dos crentes e prelúdio da páscoa eterna, no qual dás um novo vigor à vida, à paz e à esperança no coração do homem e da mulher do ano 2000, para que o seu caminho rumo ao futuro seja luminoso e seguro.

Nós Te glorificamos, Senhor Ressuscitado, pelo Dia do Senhor e o senhor dos dias, festa da Igreja e do mundo renovado, nascente de comunhão universal, dom do Pai, sinal e antecipação do último Domingo, dia da Ressurreição final, quando a Humanidade inteira vai entrar no teu repouso e Te louvará sem fim.

Oração conclusiva

Nós Te glorificamos, ó Cristo Ressuscitado, que confiaste à Igreja a missão de anunciar ao mundo o mistério da tua Ressurreição. Torna-nos perfeitos no amor, para sermos testemunhas

da tua presença viva entre nós. Tu, que és Deus e vives e reinas com o Pai e o Espírito pelos séculos sem fim.

Amém

                                                           Ordem dos Frades Menores Capuchinhos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s